Diretor da Vale diz que Planalto é quem decide construção de ferrovia

Após agenda com o governador Paulo Hartung (MDB) nesta terça-feira (10), o diretor de Relações Institucionais da Vale, Luiz Eduardo Osorio, disse que a companhia não tem o que opinar sobre onde deverão ser feitas as contrapartidas para a renovação da ferrovia Vitória-Minas e que é o Governo Federal quem vai decidir se o recurso será aplicado na construção da ferrovia de integração do Centro-Oeste ou na ferrovia Vitória-Presidente Kennedy.

Apesar da equipe do governador ter divulgado que a pauta do encontro seria a renovação da ferrovia Vitória-Minas, Osorio disse que a reunião foi para apresentar os projetos da companhia para a redução da poluição do ar no Porto de Tubarão, em Vitória.

"Nós apresentamos o plano diretor que estamos fazendo para atender aos pontos destacados pelo relatório da Cetesb, a Companhia de Meio Ambiente de São Paulo. Nosso encontro foi única e exclusivamente para tratar de questão ambiental", destacou o diretor.

Questionado sobre o posicionamento da Vale diante do impasse entre os Estados o Governo Federal sobre a aplicação dos recursos da contrapartida da renovação da concessão Vitória-Minas, e se a companhia tem preferência por algum dos projetos, Osorio disse que a empresa apenas aguarda uma definição do Planalto.

"Não é uma questão da Vale, é do próprio Governo Federal. Nosso papel é da relação onerosa, de quanto que teremos que pagar. Agora a destinação é do Governo Federal. (Sobre preferência), não temos o que opinar", disse.

Mais cedo, em coletiva de imprensa, Hartung lembrou que a exploração das jazidas de minério é um recurso esgotável e que "não há tempo a perder" em migrar a construção da Vitória-Presidente Kennedy para outra concessão.

"Quando a empresa diz que vão fazer a ferrovia como contrapartida em outra concessão, a gente entende que não vão construir nada se não lutarmos por isso. A exploração de minério não é pra vida toda, tem prazo, temos que lutar. A Vale tem a chance de deixar seu legado para o Estado, em contrapartida aos impactos ambientais que já são conhecidos dos capixabas", defendeu Hartung.

Hartung almoça hoje com o governador do Pará, Simão Jatene (PSDB). Os dois vão assinar um manifesto contra a decisão do Governo Federal de mudar a contrapartida para as renovações das concessões da Vale.

Os paraenses aguardavam que a malha ferroviária do Pará fosse ampliada com a renovação da concessão de uso da ferrovia de Carajás (PA), mas os recursos também devem ser destinados ao Centro-Oeste.

Fonte: Gazeta Online 
Seção: Ferroviário 
Publicação: 11/07/2018